COMPARTILHE

Benfica, as finais perdidas.

Este, até poderia ser um artigo curto mas, foram 8, senhores e senhoras, foram 8 finais perdidas.

Tudo parecia fácil quando, na década de 60 arrecadamos, não um, mas dois, dos mais almejados troféus futebolísticos do Mundo: A Liga dos Campeões Europeus.

Taça Campeões Europeus década 60
Taça Campeões Europeus década 60

Este é o troféu que qualquer jogador se esfolava para ganhar pois era, e ainda o é, de enorme gabarito, fazer parte da equipa e edilidade que o conquistava.

É verdade que, não foi por falta de hipótese que mais se lhes pudessem juntar. Também não me quero alargar dizendo que é por causa da Maldição do Bella Guttmann “ ..nem em cem anos o Benfica vai conquistar outra taça europeia!” pois não acredito em bruxas…. Mas que precisamos de um exorcista, sim precisamos.

José Águas, Coluna, Costa Pereira e Eusébio festejam após a conquista da Taça dos Campeões Europeus: Benfica - Real Madrid (5-3), disputada em Amesterdão, Maio de 1962.
Coluna e Eusébio segurando a Taça dos Campeões Europeus
José Águas levanta a Taça dos Campeões Europeus
José Águas levanta a Taça dos Campeões Europeus
As duas Taças dos Campeões Europeus no Museu Cosme Damião
As duas Taças dos Campeões Europeus no Museu Cosme Damião
Mítico Treinador do Benfica, Bella Guttman
Mítico Treinador do Benfica, Bella Guttmann

Vamos lá então começar esta viagem que, para mim se divide em 2:

  • 1º Os episódios que me contaram e de que eu só ouvi falar;
  • 2º Os episódios que vivi e que, me são francamente dolorosos;
Taça dos Clubes Campeões Europeus 1962-1963

Após ter eliminado o Norrköping da Noruega com um aggregate de 2-6 (1-1 em Lisboa e 1-5 na Noruega), seguiram-se os quartos-de-final contra a equipa Checoslovaca, Dukla Praga. Ganhamos 2-0 na Luz e o 0-0 chegou para nos transportar para a semi-final.
Feyenoord foi quem nos calhou. Empatamos 0-0 em casa mas, de certeza que a confiança imperava pois fomos esmagá-los na Holanda por 1-3. O Milan também fez o seu percurso e era o próximo “alvo a abater”.

Assim, a 22 de Maio de 1963 lá nos encontramos para a final no Estádio de Wembley.

Estádio Wembley década 60
Estádio Wembley década 60
AC Milan final Taça Campeões Europeus 1962-1963
AC Milan final Taça Campeões Europeus 1962-1963
Benfica final Taça Campeões Europeus 1962-1963
Benfica final Taça Campeões Europeus 1962-1963

Estavam aproximadamente 46.000 pessoas no Estádio de Wembley. O juiz da partida, o inglês Arthur Holland, mediou o apronto.

A primeira parte terminou com o Benfica a vencer com um golo do King Eusébio. Este abriu as hostilidades aos 19 minutos fazendo o 0-1 todavia, o Milan viria a vencer com 2 golos de José Altafini aos 58 e 69 minutos. Além dos nossos heróis: Costa Pereira, Cavém, Fernando Cruz, Humberto Fernandes, Raúl Machado, Sr. Coluna, José Augusto, Joaquim Santana, José Torres, King Eusébio e António Simões, destaco alguém do Milan que nos é muito querido: o jovem Giovanni Trapattoni.


Taça dos Clubes Campeões Europeus 1964-1965

Entramos na fase preliminar contra o Aris do Luxemburgo a quem aplicamos a chamada manita dupla 10-2 (1ª mão 1-5 / 2ª mão 5-1). Os suíços do La Chaux-de-Fonds foram os “clientes” seguintes. Depois do empate de 1-1 conseguido, foram cilindrados com um 5-0. Nas fases finais, vencemos o Real Madrid nos quartos-de-final por 6-3 (aggr). Vencemos os húngaros do Vasas ETO Györ por 5-0 (aggr) e acabamos por encontrar o vencedor do confronto Internazionale – Liverpool na final. Calhou-nos o Inter.

Dia 27 de Maio de 1965, realizou-se no estádio Giuseppe Meazza (San Siro) a final da taça dos clubes campeões europeus que oporia o Benfica ao Internazionale.

Estadio Giuseppe Meazza San Siro década 60
Estadio Giuseppe Meazza San Siro década 60
Benfica final Taça Campeões Europeus 1964-1965
Benfica final Taça Campeões Europeus 1964-1965
Internazionale final Taça Campeões Europeus 1964 1965
Internazionale final Taça Campeões Europeus 1964 1965

Com o Inter a jogar em casa, o jogo, arbitrado pelo suíço Gottfried Drienst, não foi catalogado como bem disputado por parte dos italianos. Mas o que vale é o golo e o jogo valeu pelo golo apontado aos 42 minutos pelo brasileiro Jair Costa.

Golo Liga dos Campeoes Internazionale Benfica 1965
Golo Liga dos Campeoes Internazionale Benfica 1965

A única consolação que trouxemos desta prova, para além de pelo menos participarmos na final como candidato à vitória foi, o facto de King Eusébio e José Torres se consagrarem como os melhores marcadores da prova com 9 golos cada um.


Taça dos Clubes Campeões Europeus 1967-1968

À semelhança da época 64/65, o Benfica foi o único representante Português nas competições da Taça dos Campeões Europeus.

Esta caminhada começou com mais dificuldade pois passamos à segunda fase com dois empates. O primeiro, em casa por 0-0 e o segundo 1-1 na casa do Glentoran da Irlanda do Norte.

Segunda fase, 2-1 (aggr) contra os franceses do  Saint-Étienne, quartos de final 0-3 (aggr) contra os húngaros do Vasas, meias finais contra a Juventus 3-0 (aggr).

A 29 de Maio, Manchester United era a “besta” que teríamos de “abater” se quiséssemos trazer mais um caneco para casa. Mais uma vez, em Wembley com arbitragem do italiano Concetto Lo Bello.

Final Liga Campeões Manchester United Benfica 1968
Final Liga Campeões Manchester United Benfica 1968
Benfica final Taça Campeões Europeus 1967-1968
Benfica final Taça Campeões Europeus 1967-1968
Manchester United final Taça Campeões Europeus 1967-1968
Manchester United final Taça Campeões Europeus 1967-1968

Marcador inaugurado por Sir Bobby Charlton aos 53 minutos e igualado por Jaime Graça aos 75. Chegamos aos 90 empatados, mas acabaria-mos por perder no prolongamento com golos aos 93, 94 e 99 minutos. Mais palavras para quê, 4-1 foi o resultado final.

Trouxemos para casa, mais um prémio de consolação. King Eusébio, melhor marcador da prova com 6 golos.

Eusébio remate final Liga Campeões United 1968
Eusébio remate final Liga Campeões United 1968

Taça UEFA 1982-1983

A Taça UEFA sempre foi “o rebuçadinho” para as equipas com valor que não conseguiam chegar à Liga dos Campeões por via da vitória nos respectivos campeonatos.

Em 1982, a nossa caminhada começou contra o Betis de Sevilha que acabamos por levar de vencida com um 4-2 nas duas mãos. Pelo caminho encontramos os belgas do Lokeren, o Zurich, Roma, Universidade Craiova até chegar à tão almejada final da prova contra o Anderlect.

Nesta altura, a final, era ainda disputada a duas mãos.

A 4 de Maio de 1983, acabamos por perder a primeira mão na Bélgica por 1-0. No Estádio da Luz, não fomos para além de um empate a 1 bola deixando assim, escapara mais um troféu europeu.

Estádio da Luz década 80
Estádio da Luz década 80
Estádio King Baudouin Anderlecht década 80
Estádio King Baudouin Anderlecht década 80
Shéu, Álvaro Magalhães, Humberto Coelho, Diamantino, Filipovic , Bento, Zé Luis, Frederico, Minervino Pietra, Chalana, Carlos Manuel
Shéu, Álvaro Magalhães, Humberto Coelho, Diamantino, Filipovic , Bento, Zé Luis, Frederico, Minervino Pietra, Chalana, Carlos Manuel
anderlecht final taca uefa 1982-1983
anderlecht final taca uefa 1982-1983

Taça dos Clubes Campeões Europeus 1987-1988

Esta é a minha primeira final europeia. Lembro-me como se fosse hoje, das palavras do meu pai: – “Olha olha, fez a paradinha…..” e doí-me desde então. PSV, também conhecido como Pouca Sorte Veloso falhava assim, o penalti que nos desolou. Pelo menos a mim. Chorei que nem um tolo.

A nossa caminhada nesta prova começou contra os albaneses do Partizan Tirana, 4-0 (aggr). Na segunda fase, tivemos pela frente os dinamarqueses do AGF que vencemos por 1-0 (aggr) e nos quartos-de-final os belgas do Anderlecht que também vencemos mas desta feita por 2-1 (aggr). A semi final também foi tranquila batendo os romenos do Steua de Bucareste por 2-0 (aggr).

Para a final, juntavam-se as equipas mais vencedoras da prova: Sport Lisboa e Benfica e PSV Eindhoven. A fatídica final teve lugar no Neckarstadion em Estugarda no dia 25 de Maio de 1988.

Estádio Neckarstadion
Estádio Neckarstadion
Benfica final Taça Campeões Europeus 1987-1988
Benfica final Taça Campeões Europeus 1987-1988
PSV Indhonev final Taça Campeões Europeus 1987-1988
PSV Indhonev final Taça Campeões Europeus 1987-1988

O jogo, arbitrado pelo italiano Luigi Agnolin não saiu do nulo no tempo regulamentar mais prolongamento. Houve a necessidade de recorrer aos pontapés da marca de grande penalidade para decidir o vencedor da prova.

Os marcadores da série regular de penaltis foram: Elzo, Dito, Hajri, Pacheco, Mozer. Todos facturaram. O capitão “Pouca Sorte” Veloso vacilou na altura da marcação do primeiro penalti morte súbita entregando assim, o troféu à equipa adversária.

Eu chorei com este momento. Chorei com tanta raiva que até achei uma piada brutal a um fotógrafo que, com aquela freima de fotografar a equipa vencedora em júbilo com os seus adeptos, tropeçou num painel publicitário e espalhou-se redondo na pista de tartan.

Perdemos, ponto.

Hoje olho para trás e penso que até posso dar algum tipo de desfecho a este episódio e ao pobre António Veloso. Quase 30 anos volvidos, Veloso, seja de que forma for, continua ligado ao seu clube de coração e continua envolvido nos mais diversos projectos com a alma de um verdadeiro Benfiquista.

Com a frieza dos anos volvidos, consigo olhar para trás e aperceber-me de que, se calhar, não perdemos por o Veloso ter falhado um penalti mas sim, pelo nosso guarda-redes não ter defendido 5, e mais não digo.

Veloso falha penalti final Liga Campeões 1988
Veloso falha penalti final Liga Campeões 1988

Taça dos Clubes Campeões Europeus 1989-1990

A prova começou fácil. Benfica cabeça de série, logo na primeira fase, Derry City da República da Irlanda 6-1 (aggr). Seguiu-se o Budapest Honvéd que foi cilindrado com 9-0 (aggr).

Os quartos de final trouxeram-nos o Dnipro Dnipropetrovsk que também foram arrumados sem contemplações por 4-0 (aggr)

Nas meias finais, o tão falado jogo contra os franceses do Marselha onde militavam Papin, Didier Deschamps, Tigana. Pois, ganhamos esse jogo com a famosa: “Mão do Vata”  mas, se serve de consolo, Maradona que é Maradona também tinha marcado no mundial de 86 e podia quase dizer-se que Maradona criou um estilo. Por causa do Maradona ter feito o que fez, podemos só dizer que estávamos a seguir uma tendência muito em voga. Era uma moda dos anos 80 implementada pelo próprio “El Pibe Maradona”. Dá-lhe Vata, tás perdoado.

Do jogo propriamente dito, ganhamos com muito custo esta meia final. Após a derrota em Velodrome por 2-1, vencemos na Luz o Marselha por 1-0.

Loucura, a equipa treinada pelo sueco Sven Goran Eriksson, estava na final a 23 de Maio no estádio Ernst-Happel (Praterstadion) em Viena.

Sven Goran Ericksson treinador Benfica 1990
Sven Goran Ericksson treinador Benfica 1990
Golo Benfica Marselha Liga Campeões mão Vata 1990
Golo Benfica Marselha Liga Campeões mão Vata 1990
Estádio Prater final Liga Campeões 1990
Estádio Prater final Liga Campeões 1990
AC Milan final Taça Campeões Europeus 1989-1990
AC Milan final Taça Campeões Europeus 1989-1990
Benfica final Taca Campeões Europeus 1989-1990
Benfica final Taca Campeões Europeus 1989-1990

Matts Magnusson, Hernani, Ricardo, Samuel, Odair, Silvino. Vitor Paneira, Zé Carlos, Jonas Thern , Valdo e Pacheco.

Final Liga Campeões Hernani Odair Gullit Milan 1990
Final Liga Campeões Hernani Odair Gullit Milan 1990

Desta prova há apenas a salientar que, tivemos a maior goleada num jogo contra o Budapest Honvéd 7-0 (aggr 0-9). Nada mais a dizer sobre este jogo. Rijkaard 68 minutos. Tá feito. Põe mais alto e desliga. Já tinha visto este filme…


Liga Europa 2012-2013

Neste ano, caímos na na Liga Europa vindos de uma desastrosa prestação no grupo G da Liga dos Campeões onde estavam, Barcelona, Celtic e Spartak de Moscovo.

Fomos repescados para os 16 avos de final da Liga Europa. O nosso primeiro desafio, desenhava-se trabalhoso. O Bayer Leverkussen era o nosso primeiro adversário.

Após a vitoria na eliminatória por 3-1 (0-1 e 1-2) defrontamos ainda, o Bordéus (aggr 4-2), Newcastle (aggr 4-2) e Fenerbahçe (aggr 3-2)

O Chelsea de Rafa Benitez foi o nosso adversário na Final.

Amsterdam Arena Final Liga Europa Chelsea Benfica 2013
Amsterdam Arena Final Liga Europa Chelsea Benfica 2013
Benfica final Liga Europa 2012-2013
Benfica final Liga Europa 2012-2013
Chelsea final Liga Europa 2012-2013
Chelsea final Liga Europa 2012-2013

A 15 de Maio de 2013, no Arena de Amesterdão, Oscar “Tacuara” Cardozo ainda nos fez sonhar com o penalti que igualava a partida, em resposta ao golo marcado por Fernando Torres aos 60 minutos.

A ilusão viria a ser desfeita por Ivanovic ao minuto 92. Minuto esse que se revelou fatídico para o Benfica na época 2012/2013. Foi um estigma, uma “besta negra” que o fez perder quase todas as competições em que estava envolvido.

Mais uma falsa vitória. Um prémio para o primeiro dos últimos. Esta, também doeu.


Liga Europa 2013-2014

Mais uma vez, caímos nesta prova vindos da Liga dos Campeões. Tudo porque o nosso treinador da altura era mais de Liga Europa.

Na Liga dos Campeões, calhou-nos no grupo C, o Paris Saint-Germain, Olympiakos e Anderlecht. Um bom grupo para disputar os lugares cimeiros dir-se-ia, mas não.

Sofremos a bom sofrer no jogo com o Olympiakos por causa da exibição do nosso ex. guarda-redes. O mal-amado Roberto. Com mãos de ferro, segurou o empate do Olympiakos na luz e fez com que a sua equipa conseguisse uma melhor diferença entre golos marcados e sofridos que os colocaria em segundo lugar.

Fomos para a Liga Europa com os mesmos pontos do 2º classificado, ou seja, 10.

Para começar, saiu logo mais uma equipa grega, PAOK. Foi despachada com um contundente (aggr 4-0). Seguiram-se: Tottenham (aggr 5-3), AZ Alkmaar (aggr 3-0) e Juventus (aggr 1-2). Este jogo contra a Juventus, tenho de destacar o golaço de Lima a bater Gianluigi Buffon. Que GOLAÇO…Li…Li….Li….LIMA!!! E, eis-nos numa final de novo.

Para quem vence a Juventus, o Sevilla ia ser canja. Ainda por cima já com o Campeonato, Taça de Portugal e Taça da Liga no bolso, a Liga Europa ia ser a cereja no topo do bolo. Todos acreditaram que seria possível, estava ali, a hipótese quase palpável de conseguirmos finalmente o nosso troféu europeu.

14 de Maio de 2014. Estádio da Juventus em Turim onde semanas antes havíamos conseguido eliminar da prova a equipa da casa.

juventus stadium final europa league sevilla benfica 2014
juventus stadium final europa league sevilla benfica 2014
Benfica final Liga Europa 2013 2014
Benfica final Liga Europa 2013 2014
Sevilla final Liga Europa 2013-2014
Sevilla final Liga Europa 2013-2014

Cheios de Ilusão, com o melhor 11 possível, à falta de Filip Markovic: Jan Oblak Sulejmani, André Gomes, Garay, Ruben Amorim, Capitão Luisão, Nico, Lima, M.Pereira, Siqueira e Rodrigo. Não fomos para além do empate a 0 nos 90 minutos. No prolongamento, mais do mesmo.

Foi necessário recorrer aos penaltis para desembrulhar o desafio.

Penaltis? Onde é que eu já vi isto!

Oscar “Tacuara” Cardoso e Rodrigo permitiram ao guarda-redes adversário brilhar entregando assim, de bandeja, o troféu que nos permitiria “matar o borrego” da secura de vitórias em competições europeias.

Nada mais há a acrescentar. Fazem já parte da história, da trívia do nosso clube.

Em jeito de conclusão termino como iniciei este artigo: “Raios-ta-partam” Bella Guttmann

4 COMENTÁRIOS

    • Caro Filipe, Obrigado pelo seu reparo. Tratarei de corrigir o lapso. Continue sempre a visitar a coluna e a comentar os nossos artigos.
      Obrigado

DEIXE UMA RESPOSTA